sexta-feira, 2 de março de 2012

Lixo Extraordinário



Direção: Lucy Walker,
Codireção: João Jardim, Karen Harley
Produção: Angus Aynsley, Hank Levine
Coprodução: Peter Martin
Produção Executiva: Fernando Meirelles, Miel de Botton Aynsley, Andrea Barata Ribeiro, Jackie de Botton
Música: Moby
Edição: Pedro Kos
Direção de Fotografia: Dudu Miranda
Codireção de Fotografia: Heloisa Passos, Aaron Phillips
Mixagem de Som: Aloysio Compasso, José Lozeiro
Duração: 99 minutos
Classificação: Livre


Filmado ao longo de dois anos (agosto de 2007 a maio de 2009), Lixo Extraordinário acompanha o trabalho do artista plástico Vik Muniz em um dos maiores aterros sanitários do mundo: o Jardim Gramacho, na periferia do Rio de Janeiro. Lá, ele fotografa um grupo de catadores de materiais recicláveis, com o objetivo inicial de retratá-los. No entanto, o trabalho com esses personagens revela a dignidade e o desespero que enfrentam quando sugeridos a reimaginar suas vidas fora daquele ambiente. A equipe tem acesso a todo o processo e, no final, revela o poder transformador da arte e da alquimia do espírito humano. 

Opinião
 É um documentário tocante. A sensibilidade do artista em expressar sua arte, mas sobretudo em expressar humanidade através dela sem dúvida alguma é o marco do sucesso desta história.
Vick Muniz, hoje um respeitadíssimo artista plástico conta sua saga e mostra-se um homem digno de todo o sucesso adquirido. A repercussão de Lixo Extraordinário é fruto do choque de classes e de cultura que se pode encontrar em meio a um aterro. Os personagens que nada mais são do que eles nos dão tantas lições que nos levam das lágrimas ao riso, da admiração a estaticidade.
Embora o resultado final deste trabalho que perdurou por mais de dois anos seja fantástico, mais lindo ainda foi a construção de tudo isso. O fato destas pessoas juntarem aquele material com outro olhar, de produzir cada centímetro do gigantesco quadro por fim fotografado pelo artista, demonstra que eles também o são, e a medida que construíam sua marca, reconstruíam-se como gente.
Os depoimentos emocionam, a condição de cada um, as palavras de sabedoria com que proferem seu destino...
Assisti a este documentário em um dia decepcionante para mim, e ao terminar sequei minhas lágrimas envergonhada de minha fragilidade ignorante. Eles só precisaram de um olhar e de uma oportunidade.
Um dos fatos marcantes, entre tantos outros é o impasse que surge entre deixar ou não eles saírem daquele lugar, pois seria algo temporário, depois eles voltariam para o lixo. E o artista Vick Muniz questiona essa negação, e diz que se ele estivesse naquele lugar, e lhe propusessem uma viagem, ainda que temporária para um lugar melhor, que o fizesse vislumbrar algo diferente ele iria.
Recomendo: A todos que procuram além daquilo que já está ali. A todos os que acreditam que a natureza se transforma, que a arte é bela, que o ser humano é capaz de ser bonito, sim. Recomendo a todos, pois a sensibilidade é linda, e saber o que fazer com ela, mais lindo ainda.

15 comentários:

  1. eu tenho que fazer essa #$#@$$@!# para a !@#$ da profeessora de artes /@##$%%%¨*

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. eu fiz essa poha para o professor de artes tbm

      Excluir
  2. Oi, Ruan!

    O documentário é bem legal! Espero que minha resenha tenha lhe ajudado!
    Volte sempre!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Andréia , essa resenha me ajudou muito , obrigado

      Excluir
    2. Oi, Leonardo!
      Fico feliz em ter ajudado!

      :-)

      Excluir
  3. td mundo tem q faze isso pra artes man ¬¬ valeu andréia

    ResponderExcluir
  4. Oi, Gabriel!
    Realmente este é um documentário muito utlizado pelos professores de Arte, espero ter lhe ajudado.
    Abraço!

    ResponderExcluir
  5. Não só para arte, mas tbm para trabalhos de faculdade. Assistir a esse documentário e me emocionei muito, além de claro ter gostado demais da atitude deste artista com relação aquelas pessoas do lixão. hoje estou tendo que fazer um trabalho sobre esse documentário na disciplina de Biossegurança.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade, Larissa!
      Também fiquei muito emocionada ao assistir, não esperava que no documentário tivesse tanto sentimento, tantas histórias, e tanta VIDA!
      Abraço.

      Excluir
    2. Nem tudo que está no lixo, é lixo neh Andreia!
      E pudemos presenciar quanta arte saiu daqueles materiais recicláveis.

      Excluir
    3. Exatamente!
      Uma arte tão bonita e limpa!
      Tão autêntica!
      Realmente uma lição de vida, de arte, sensibilidade e persistência!
      :-)

      Excluir
  6. O documentário é incrível, mas pelos comentários vejo que as pessoas só o assistem por obrigação e não refletem sobre as questões sérias abordadas no filme. Infelizmente essa é a nossa juventude. Parabéns pela resenha, seus comentários são bastante interessantes. Também adorei o filme.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Emilene!
      Realmente a maioria acaba vendo o documentário porque alguém pediu para fazer uma resenha, um resumo, uma releitura, enfim...
      no meu caso li alguma coisa na internet e decidi que seria importante vê-lo. Foi gratificante demais e convidei minha família pra ver, também.
      Infelizmente são poucos que possuem a sensibilidade para entender a grandeza deste trabalho.
      Obrigada por comentar!
      :-)

      Excluir
  7. Realmente, um bom ponto critico e visão do filme. Me deu umas ideias legais pra minha resenha. Estou fazendo pra uma engenheira ambiental, que me aula de Gestão ambiental no SENAI-DF, curso de Tec. em edificações. Muito obrigado, e parabens!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Gabriel!
      Fico feliz em ter contribuído de alguma forma!
      :-)

      Excluir